terça-feira, 24 de abril de 2012

Voto nulo



Face aos candidatos disponíveis, achei decepcionante que as eleições presidenciais francesas não tenham contado com maior abstenção, ou melhor ainda, maior índice de voto nulo/branco. Já fui do tipo que defende a tese do voto no menos pior, mas, hoje, entendo que essa posição apenas perpetua a situação que aí está.

Enquanto votamos sistematicamente no menos pior, ocultamos nossa insatisfação com o próprio sistema, mostramos nosso conformismo com governos economicamente incompetentes e politicamente opressores. Não importa se é um partido de extrema direita que persegue imigrantes ou um partido socialista que suprime liberdades econômicas, opressão e exploração não são privilégios ideológicos da esquerda ou da direita.

Já passou da hora das sociedades se levantarem e darem um basta ao poder dos governos federais, que não representam a ninguém, exceto por seus próprios burocratas sanguessugas, devidamente corrompidos pelas elites econômicas avessas à concorrência do verdadeiro capitalismo.

Que venha uma nova revolução francesa... mas, pelo jeito, ela não ocorrerá na França... ou ainda não desta vez ;-)